Avançar para o conteúdo principal

Jardim do Príncipe Real - “Jardim França Borges”.


Arquivo Fotográfico de Lisboa 
Biblioteca ao ar livre, 1956
Serôdio, Armando, 1907-1978 

Conhecido no século XV por Alto da Cotovia. Nos finais do século XVII, o filho do marquês de Alegrete, João Gomes da Silva Teles, projetou a construção de um palácio, posteriormente abandonado, sendo em 1740 a lixeira do Bairro Alto. Este território foi vendido à Companhia de Jesus, e os padres limparam o local e ordenaram a construção do Colégio das Missões, que viria a ser destruído com o terramoto de Lisboa, de 1755. Aí se iniciou a nova Sé Patriarcal, que acabaria por sofreu um incêndio que a destruiu, ficando ao abandono. Por volta de 1789, o visconde de Vila Nova de Cerveira insinuou o aproveitamento destas ruínas para a construção do Real Erário, a Tesouraria Central do Reino, porém as obras tornaram-se tão dispendiosas que o projeto acabou por ser novamente abandonado em 1797. No ano de 1830 era um local de entulho, que a Câmara mandou limpar para ali colocar uma praça. Foi então edificado e construido um jardim com características e traços românticos, datado de 1853 e designada por Praça do Príncipe Real no ano de 1859. No decorrer dos anos 50, foi chamada por Largo de D. Pedro V; e entre 1911 e 1919, de Praça Rio de Janeiro, tendo readquirido o seu nome como forma de homenagem ao filho primogénito de D. Maria II. Em 1861 iniciaram-se os trabalhos de terraplanagem da praça e em 1863 a Companhia das Águas terminou a construção do Reservatório de Água da Patriarcal que, para além, de aprovisionar o jardim fazia a ligação com diversos chafarizes de Lisboa: Século, Loreto e S. Pedro de Alcântara. Em 1869 deu-se a iluminação e ajardinamento do local, a cargo de João Francisco da Silva. O jardim tem uma área de 1,2 ha, traça e estilo romântico inglês em torno de um grande lago octogonal com repuxo. Destacam-se várias espécies arbóreas, salientando-se o enormíssimo cedro-do-Buçaco, considerado o ex-libris da praça, com 20 metros de diâmetro. Podemos ainda observar canteiros de recorte simétrico repletos de plantas e flores assim como pequenos arbustos. No ano de 1915 colocaram no jardim um busto do jornalista republicano França Borges em sua homenagem ficando oficialmente a designação de “Jardim França Borges”.

Localização: Praça do Príncipe Real , 1250-184 Lisboa
Horário/ Hours/ Horaire: Aberto 24 horas
Acessibilidades:
Autocarros/ Buses/ Bus (Carris):
92, 758, 773, 790;
Metro/ Metro/ Métro: Rato

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Bordados de Viana do Castelo

Gemeniana Branco, 29 de Março de 1917

Foi numa exposição realizada a 24 de Agosto de 1917 no artístico Pavilhão, no Campo d´Agonia em Viana do Castelo, que Gemeniana Branco deu a conhecer os seus trabalhos e que desde então dá início a uma profissionalização desta prática. Germeniana era uma jovem mulher com recursos, ligações e capacidade de iniciativa. Características que a levaram a transformar uma tarefa de uso essencialmente doméstico a uma atividade económica. Esta mulher fá-lo não só por si que dados os seus recursos não necessitava mas por princípios e valores que partilhava com mulheres como Berta Machado ou Ana de Castro Osório, que quando Portugal entrou na I Grande Guerra foram as fundadoras da Cruzada das Mulheres Portuguesas que tinha como objetivo diminuir a miséria das famílias portuguesas da altura. Foi neste contexto que Gemeniana se lança ao trabalho ajudando mulheres carenciadas no sustento das suas famílias em Viana e nos arredores. A área de produção do Borda…

Filigrana Portuguesa

Coração de Viana

A filigrana é um trabalho minucioso e ornamental que é realizado com perícia e delicadeza. É uma técnica de ourivesaria, e insere-se no tipo de ourivesaria popular, apesar de não ser específica da nossa tradição cultural encontra-mo-la noutros países e culturas, pode ser considerada uma das formas mais características das artes portuguesas. Pequenas bolas de metal e fios muito finos soldados e achatados provocando o efeito trança, de forma a obter desenhos como estes.
Cruz de Malta


Metais como o ouro e a prata são os mais trabalhados nesta arte, e estão presentes na história da humanidade nunca caindo em desuso, desde a Antiguidade até aos dias de hoje.  Recriação contemporânea de Joana Vasconcelos  


No norte do pais a tradição da filigrana continua presente nos adornos das mulheres minhotas, desde os trajes de noivas, aos trajes dos ranchos folclóricos e até no café de domingo à tarde.
Brincos Rainha

Vamos até ao 3º milénio a.c. no Médio Oriente onde a filigrana foi difundi…

Lenços

~ Foto: Nuno Reis


Os lenços de Viana como são conhecidos fazem parte do imaginário português. São coloridos na sua base onde assentam cercadura de flores grandes e coloridas destacando as quatro cores principais: vermelho, amarelo, branco e azul.



Postal antigo: Lavadeiras Viana de Castelo
“A veste organiza-se em: saia franzida, colete justo apertado com fitilho e camisa branca, sobre a qual se apõe o avental, a algibeira e o lenço. Na cabeça, colocava-se um lenço idêntico ao do peito. Nos pés, calçavam chinelas também bordadas, à maneira barroca, e meias arrendadas.” (Teixeira: Madalena Braz, O traje regional, Português eo Folclore VII )


Estão presentes ao longo da história da humanidade em vários momentos históricos: • Segundo a lenda a primeira mulher que usou um lenço foi a rainha egípcia Nefertiti no ano de 1350 a.c.; • Em 230 a.c. na China no reinado do Imperador Cheng os lenços tinham uma utilização funcional que servia para identificarem os funcionários ou guerreiros chineses; • Na R…