Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Junho, 2012

Teresa Salgueiro

Bom Fim de Semana.
Ao som de ... Mistério

Elevador de Santa Justa

Fonte: http://www.cm-lisboa.pt
Um dos ponto mais altos da cidade é acessível graças ao Elevador vertical que foi construído nos inícios do século XX, pelo Engenheiro Raul Mesnier du Ponsard, é um excelente exemplo da arquitetura do ferro. A funcionar desde 1902 primeiramente tinha como função fazer a ligação entre a Baixa Pombalina e o Largo do Carmo. Considerada uma obra arrojada para a época. No topo deste Elevador podemos aceder a uma das esplanadas mais altas de Lisboa e aproveitar um fim de tarde romântico com a luz e a vista da cidade como cenário. 
Mas até à sua inauguração muitas lutas foram travadas e Mosnier teve de vencer diversas resistências: da câmara, dos moradores, as lutas de interesses concorrentes, a questão financeira, uma vez que foi o engenheiro que teve de desenvolver a formação da empresa construtora.  As resistências só duraram até se provar a sua utilidade e esta obra que custou na época 45 contos, segundo noticiava a imprensa da época, foi inaugurada com pompa …

Miradouro da Senhora do Monte

Foto: M&S
Depois de dias e dias de cheios de pessoas por todos os lados, ambientes fechados e de  muito barulho, de ruas saltitantes, arraiais ao rubro... ainda que goste muito das festas de Lisboa. São sítios como este que me dão a paz que preciso e a serenidade para embalar os meus desejos e projectos. Gosto da vista desafogada, de olhar o rio, as casas, os jardins ao longe, o castelo, o barulho da cidade ao fundo e contemplar ao meu ritmo com calma este cenário tão bem guardado tão bem protegido pela capela de Nossa Senhora do Monte.  Aqui vejo e projecto e a cidade cheia de luz, cheia de Graça... Deixo o meu olhar voar e fugir de mim para me encontrar ou para me perder em ti Lisboa. 
Rua Nossa Senhora do Monte à 
Graça Monte S. Gens 
1170-358 Lisboa

10 de Junho: dia de Portugal, de Camões e das comunidades portuguesas

Luís Vaz de Camões
As armas e os barões assinalados 
Que, da Ocidental praia Lusitana, 
Por mares nunca de antes navegados 
Passaram ainda além da Taprobana 
E em perigos e guerras esforçados 
Mais do que prometia a força humana, 
E entre gente remota edificaram 
Novo Reino, que tanto sublimaram

Luís Vaz de Camões
As armas e os barões assinalados
(Os Lusíadas, Canto I, 1)

Miradouro do Torel

Foto: M&S
Um recanto de Lisboa que me chama como por magia. A vista da cidade, as nuvens que aparecem no sítio certo, o calor de Lisboa, os outros miradouros, as casas, o rio, o arco da rua Augusta, a avenida da Liberdade, a vista da parte ocidental da cidade, o lago, os recantos, tudo ali é musica para mim.  Este jardim que outrora foi de uma quinta do início do século XVIII pertencente a Cunha Thorel, o mais abastado proprietário da zona, é agora acessível a todos. No inicio do ano de 1928 foi cedido o terreno do palácio à Câmara Municipal de Lisboa que felizmente teve a iniciativa de ai construir o miradouro e o jardim. Destaco algumas particularidades: o tanque oval ornamentado, uma varanda circular com uma vista soberba suspensa por 10 pilares de cantaria e ainda o seu óptimo estado de conservação graças às obras de restauro que sofreu em 2000. Situado numa das sete colinas de Lisboa, junto ao elevador da Lavra este jardim espera por si...  
Horário: Aberto todos os dias das 7 às…