Avançar para o conteúdo principal

Guitarra Portuguesa

Guitarra Portuguesa, 1890

A Guitarra Portuguesa assume um lugar de destaque no imaginário do que se pode chamar a identidade nacional portuguesa, como um símbolo, uma referência sempre presente no nosso imaginário e memória coletiva, quase sempre associada também ao fado e a saudade.
A sua origem direta encontramos um modelo de Cítara europeia conhecida em Portugal desde o século XVII, filiada na Cítola medieval e referida várias vezes na literatura e também em algumas representações iconográficas.
A Guitarra Portuguesa e a citara a partir do século XIX e ainda que apesar de muitas referencias em dicionários da especialidade como dois instrumentos distintos, tende a confundir-se sob a mesma designação vindo a adotar graduadamente elementos acessórios de um e outro instrumento.
A desqualificação social da citara é uma evidência segundo dados históricos apurados desde inícios do século XIX, o que levou a ser o instrumento ideal para acompanhar o fado.
Com a sua nova designação de Guitarra Portuguesa, começa a ser de forma gradual reabilitada e chega a entra novamente nos salões burgueses e palácios aristocráticos na segunda metade do século.
Na década de setenta a Guitarra Portuguesa populariza-se de norte a sul do país juntamente com o fado, sendo o seu uso obrigatório no seu acompanhamento aos tocadores ambulantes que frequentam feiras e romarias nacionais.
Segundo Pedro Caldeira Cabral uma das referências nacionais e que se tem dedicado também à investigação “ Segundo testemunhos recentes recolhidos por mim na Beira Alta e em Trás-os-Montes, estes tipos mais arcaicos sobreviveram até aos anos 30, nas mãos de moleiros e de artesãos carpinteiros que, nas horas vagas e em dias de festa, reuniam à sua volta verdadeiras tertúlias de poetas-cantadores de fados e romances, improvisando também cantos ao desafio.
Com o incremento do fado e das guitarradas, promovido pelas companhias de discos e de gramofones na década 20/30 e a sua subsequente difusão por todo o país através da rádio (a partir de 1935), a Guitarra Portuguesa tornou-se um instrumento ainda mais presente nos conjuntos instrumentais próprios das funções de baile, nas rusgas do Minho, nas rondas da Beira Alta, em grupos do Douro e de Trás-os-Montes, reforçando o timbre estridente das violas de arame e poiando o acompanhamento harmónico dos violões. Mas é certamente nas grandes cidades que a Guitarra atinge a sua cotação mais elevada, com a associação ao fado amador dos estudantes de Coimbra e nas mãos dos mais talentosos guitarristas profissionais do fado de Lisboa.”
Guitarra Portuguesa, 1930

Pedro Caldeira Cabral acrescenta ainda que depois da década de 40 aos dias que correm, pouco se fez para modificar os aspetos fundamentais da construção da Guitarra, verificando-se no entanto uma enorme evolução nas técnicas de execução e no reportório, o qual passou das simples guitarradas acompanhadas à viola, para genuínos solos de concerto e peças orquestrais com a guitarra.
A partir da década de 70, assistimos mesmo a uma verdadeiras incursões pela música erudita contemporânea, com emprego pontual de meios eletro-acústicos e de manipulação eletrónica dos sons da Guitarra Portuguesa.

Guitarra Portuguesa, 1969

Segundo o portal da Guitarra Portuguesa temos a seguinte definição “A Guitarra Portuguesa distingue-se dos outros cordofones de mão pela forma e dimensões da sua caixa de ressonância, pelo cavalete móvel em osso, pelas suas 12 cordas metálicas, dispostas em seis pares (ordens ou parcelas), pelo peculiar sistema mecânico de afinação, com o cravelhal metálico em forma de leque, com sistema de tarrachas deslizantes e parafuso sem fim, pela sua afinação única (si; lá; mi; Si; Lá; Ré; ou lá; sol; ré; Lá; Sol; Dó; ) , pela técnica de execução tradicional, com o dedilho especial da mão direita com uso exclusivo das unhas dos dedos indicador e polegar, e, como resultante natural destes fatores, possui uma qualidade sonora com características tímbricas e expressivas distintamente individualizadas.”

Temos em Portugal na Escola Superior de Artes Aplicadas (ESART) em Castelo Branco é a única instituição no mundo a oferecer um curso superior de guitarra portuguesa. Desconhecida para muitos, embora existe há quatro anos e é motivo de orgulho para os estudantes, que conta com 7 alunos. 
http://www.ipcb.pt/
http://www.guitarraportuguesa.org
www.pedrocaldeiracabral.com

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Bordados de Viana do Castelo

Gemeniana Branco, 29 de Março de 1917

Foi numa exposição realizada a 24 de Agosto de 1917 no artístico Pavilhão, no Campo d´Agonia em Viana do Castelo, que Gemeniana Branco deu a conhecer os seus trabalhos e que desde então dá início a uma profissionalização desta prática. Germeniana era uma jovem mulher com recursos, ligações e capacidade de iniciativa. Características que a levaram a transformar uma tarefa de uso essencialmente doméstico a uma atividade económica. Esta mulher fá-lo não só por si que dados os seus recursos não necessitava mas por princípios e valores que partilhava com mulheres como Berta Machado ou Ana de Castro Osório, que quando Portugal entrou na I Grande Guerra foram as fundadoras da Cruzada das Mulheres Portuguesas que tinha como objetivo diminuir a miséria das famílias portuguesas da altura. Foi neste contexto que Gemeniana se lança ao trabalho ajudando mulheres carenciadas no sustento das suas famílias em Viana e nos arredores. A área de produção do Borda…

Filigrana Portuguesa

Coração de Viana

A filigrana é um trabalho minucioso e ornamental que é realizado com perícia e delicadeza. É uma técnica de ourivesaria, e insere-se no tipo de ourivesaria popular, apesar de não ser específica da nossa tradição cultural encontra-mo-la noutros países e culturas, pode ser considerada uma das formas mais características das artes portuguesas. Pequenas bolas de metal e fios muito finos soldados e achatados provocando o efeito trança, de forma a obter desenhos como estes.
Cruz de Malta


Metais como o ouro e a prata são os mais trabalhados nesta arte, e estão presentes na história da humanidade nunca caindo em desuso, desde a Antiguidade até aos dias de hoje.  Recriação contemporânea de Joana Vasconcelos  


No norte do pais a tradição da filigrana continua presente nos adornos das mulheres minhotas, desde os trajes de noivas, aos trajes dos ranchos folclóricos e até no café de domingo à tarde.
Brincos Rainha

Vamos até ao 3º milénio a.c. no Médio Oriente onde a filigrana foi difundi…

Lenços

~ Foto: Nuno Reis


Os lenços de Viana como são conhecidos fazem parte do imaginário português. São coloridos na sua base onde assentam cercadura de flores grandes e coloridas destacando as quatro cores principais: vermelho, amarelo, branco e azul.



Postal antigo: Lavadeiras Viana de Castelo
“A veste organiza-se em: saia franzida, colete justo apertado com fitilho e camisa branca, sobre a qual se apõe o avental, a algibeira e o lenço. Na cabeça, colocava-se um lenço idêntico ao do peito. Nos pés, calçavam chinelas também bordadas, à maneira barroca, e meias arrendadas.” (Teixeira: Madalena Braz, O traje regional, Português eo Folclore VII )


Estão presentes ao longo da história da humanidade em vários momentos históricos: • Segundo a lenda a primeira mulher que usou um lenço foi a rainha egípcia Nefertiti no ano de 1350 a.c.; • Em 230 a.c. na China no reinado do Imperador Cheng os lenços tinham uma utilização funcional que servia para identificarem os funcionários ou guerreiros chineses; • Na R…