Avançar para o conteúdo principal

Caretos Podence



Para além de uma tradição, são o símbolo de uma cultura do Nordeste de Portugal, os Caretos são sem dúvida um dos grupos mais emblemáticos de Portugal. Teve inicio em 1985 dentro de uma associação cultural que tinha como objetivo preservar a tradição carnavalesca, assumindo-se como um grupo etnográfico constituído por 20 elementos, todos homens.
Na aldeia transmontana de Podence, situada no Nordeste de Portugal, o período de Carnaval é marcado pela presença dos Caretos, figuras mascaradas que usam mascaras e vestem-se com fantasias particulares (casaco e calças de lã coloridas, no passado lã de ovelha tingida artificialmente, tecido numa manta de serapilheira talhada para o efeito, uma mascara hoje de lata, no passado de madeira ou couro). A expressão Careto é usada noutras regiões para designar mascarados que podem surgir noutros períodos do ano assim como o Natal, Santo Estevão, Reis e que podem emergir nas chamadas Festas dos Rapazes do Ciclo de Inverno.

Uma das particularidade dos Caretos é o seu movimento coreográfico bastante sexualizado em que o Caretos, abraçando a sua “vítima” feminina e atingindo-a repetidamente nos rins com golpes repetidos dos chocalhos, que, giram, pendentes da sua cintura. Movimento esse a que se chama “chocalhar”. Os Caretos, nesta ocasião, afirmam-se como “donos” dos espaços públicos e mesmo dos privados, que ocupam com cumplicidade ou passivo consentimento dos seus moradores. Ao Careto tudo é permitido nesses dias, assumem uma dupla personalidade. Ao vestir o fato e colocar a mascara o seu comportamento muda e tudo lhe é permitido, sátira social, exageros.


O mundo de som, fúria, cor e movimento para que nos remetem incutem em cada um de nós o misticismo e a envolvente deste Carnaval tão particular.
Temos as portas abertas para entrar num universo de raiz profana e carnal, o verdadeiro motivo que move os Caretos é apanhar as raparigas para as poder “cocalhar”, num exagero de atos e folia. Despedem o Inverno e dão as Boas Vindas à Primavera num ritual ainda inserido nas festividades cíclicas de inverno.


Os caretos tem percorrido Portugal, assim como contam com várias participações internacionais, são objeto de estudo etnográfico e antropológico em várias universidade e as suas participações nos mídia tem aumentado gradualmente nestes últimos anos.


Fonte:
OLIVEIRA, Ernesto Veiga de. Festividades Cíclicas em Portugal. Lisboa: D.
Quixote, 1984.
PEREIRA, Benjamim. Máscaras Portuguesas: Junta de Investigação do
Ultramar. Lisboa: Museu de Etnologia do Ultramar, 1973.
PESSANHA, Sebastião. Mascarados e Máscaras Portuguesas. Lisboa: Ferrin,
1960.
RAPOSO, Paulo. O Papel das Performances Culturais na Contemporaneidade:
Iden t id ade e Cu l tu r a Popu l a r. 2003 . D i s se r t a ç ão (Dou to r ado em
Antropologia) – Instituto Universitário de Lisboa, Lisboa, 2003.

http://caretosdepodence.no.sapo.pt
Fotos:http://caretosdepodence.no.sapo.pt



Comentários

Mensagens populares deste blogue

Bordados de Viana do Castelo

Gemeniana Branco, 29 de Março de 1917

Foi numa exposição realizada a 24 de Agosto de 1917 no artístico Pavilhão, no Campo d´Agonia em Viana do Castelo, que Gemeniana Branco deu a conhecer os seus trabalhos e que desde então dá início a uma profissionalização desta prática. Germeniana era uma jovem mulher com recursos, ligações e capacidade de iniciativa. Características que a levaram a transformar uma tarefa de uso essencialmente doméstico a uma atividade económica. Esta mulher fá-lo não só por si que dados os seus recursos não necessitava mas por princípios e valores que partilhava com mulheres como Berta Machado ou Ana de Castro Osório, que quando Portugal entrou na I Grande Guerra foram as fundadoras da Cruzada das Mulheres Portuguesas que tinha como objetivo diminuir a miséria das famílias portuguesas da altura. Foi neste contexto que Gemeniana se lança ao trabalho ajudando mulheres carenciadas no sustento das suas famílias em Viana e nos arredores. A área de produção do Borda…

Filigrana Portuguesa

Coração de Viana

A filigrana é um trabalho minucioso e ornamental que é realizado com perícia e delicadeza. É uma técnica de ourivesaria, e insere-se no tipo de ourivesaria popular, apesar de não ser específica da nossa tradição cultural encontra-mo-la noutros países e culturas, pode ser considerada uma das formas mais características das artes portuguesas. Pequenas bolas de metal e fios muito finos soldados e achatados provocando o efeito trança, de forma a obter desenhos como estes.
Cruz de Malta


Metais como o ouro e a prata são os mais trabalhados nesta arte, e estão presentes na história da humanidade nunca caindo em desuso, desde a Antiguidade até aos dias de hoje.  Recriação contemporânea de Joana Vasconcelos  


No norte do pais a tradição da filigrana continua presente nos adornos das mulheres minhotas, desde os trajes de noivas, aos trajes dos ranchos folclóricos e até no café de domingo à tarde.
Brincos Rainha

Vamos até ao 3º milénio a.c. no Médio Oriente onde a filigrana foi difundi…

Lenços

~ Foto: Nuno Reis


Os lenços de Viana como são conhecidos fazem parte do imaginário português. São coloridos na sua base onde assentam cercadura de flores grandes e coloridas destacando as quatro cores principais: vermelho, amarelo, branco e azul.



Postal antigo: Lavadeiras Viana de Castelo
“A veste organiza-se em: saia franzida, colete justo apertado com fitilho e camisa branca, sobre a qual se apõe o avental, a algibeira e o lenço. Na cabeça, colocava-se um lenço idêntico ao do peito. Nos pés, calçavam chinelas também bordadas, à maneira barroca, e meias arrendadas.” (Teixeira: Madalena Braz, O traje regional, Português eo Folclore VII )


Estão presentes ao longo da história da humanidade em vários momentos históricos: • Segundo a lenda a primeira mulher que usou um lenço foi a rainha egípcia Nefertiti no ano de 1350 a.c.; • Em 230 a.c. na China no reinado do Imperador Cheng os lenços tinham uma utilização funcional que servia para identificarem os funcionários ou guerreiros chineses; • Na R…