Avançar para o conteúdo principal

Bordados de Castelo Branco


Antes de serem conhecidos pelo nome que lhe damos hoje em homenagem à cidade de Castelo Branco, local onde existia uma grande produção de linho, eram conhecidos por “Bordado Albicastrense” ou “Bordado a Frouxo”.
As suas raízes históricas estão por apurar, mas as influências de motivos da China e Índia é inegável, quando admiramos alguns exemplares desta arte.
Alguns investigadores vêm na realização das colchas, o ponto alto destes bordados, um aspeto simbólico. As raparigas em idade de casar exibiam as suas colchas nas janelas que davam para a rua afim de cativar potenciais pretendentes. Eram peças de enxoval das raparigas, porém foram utilizadas num primeiro momento nos dias de festa e posteriormente começaram a integrar o quotidiano das famílias. Também existem teses que apontam fortes ligações com os lenços de namorados, evidenciando os motivos desses bordados como elos de ligação.
A Mocidade Portuguesa Feminina fundou uma escola de bordados (1940) , uma vez que esta atividade estava a gerar um grande interesse na zona, nessa época. A data coincidiu com a exposição de colchas (1941) acabando por encerrar as portas para reestruturação anos posteriores (1945).
Em 1956, é criado o centro de Indústrias Regionais da Mocidade Portuguesa Feminina (MPF). Que tinha dois objetivos, um a nível social e outro cultural.
Após o 25 de Abril, a MPF foi suprimida e a perpetuidade do centro tinha pouco interesse. Todavia, o interesse da Comissão Liquidatária da MPF, da Direção Geral dos Assuntos Culturais de S.E.C., e das próprias bordadoras que se submetiam a trabalhar em condições precárias e difíceis, viabilizaram a criação da oficina – Escola de Bordados Regionais, incorporada no Museu Tavares Proença Júnior, na cidade de Castelo Branco.

Atualmente a oficina assume que a escola tem uma filosofia implícita, vê o passado destes bordados como um património importante e que deve ser preservado. No entanto, considera que a oficina isto é a escola do museu não deve situar-se somente nas replicas da produção antecedente, mas deverá sim ser um ponto de partida aos artesãos contemporâneos.

O apelo à inovação é imperativo e já em 2009, Ana Pires geógrafa, que participou no Encontro "Conversas preenchidas a ponto de Castelo Branco", que juntou diversos especialistas no Museu de Francisco Tavares Proença Júnior.
"Para uma pessoa que tenha informação, percebe que os desenhos foram abusivamente manipulados. Misturaram-se coisas que não se deviam misturar e misturaram-se mal, a qualidade do próprio desenho é genericamente muito fraca e entendemos que devia haver abertura para a inovação e não há razão para não se fazer", conclui Ana Pires.



São utilizados vários pontos neste tipo de bordado, entre eles o ponto de cadeia ou o ponto pé de flor. O ponto que deu origem a um dos nomes deste bordado foi o “ponto a frouxo”. São utilizados fios de seda, sob linho.
Para se poder bordar o linho, é necessário que este esteja bem esticado num bastidor.
Existente várias colchas, carregadas de simbologia algumas delas apresentam:
· O lar simbolizando a árvore da vida;
· Os pássaros que representam os desposados;
· O Homem e a Mulher simbolizados pelo cravo e pela rosa;
· Os lírios que alegam a Virtude;
· Os corações, significavam sem dúvida o amor.

PINTO, Clara Vaz – Bordado de Castelo Branco Catálogo de Desenhos de Colchas , Ed. Instituto Português de Museus,Museu Francisco Tavares Proença Júnior, Lisboa, 1992
Silva, Paulo - Bordados Tradicionais Portugueses, Universidade do Minho, 2006
http://www.cm-castelobranco.pt

Comentários

  1. salta a vista um pequeno detalhe. Como o próprio post denota a parecença dos bordados com os bordados dos lenços dos namorados, sensivelmente da mesma época.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Bordados de Viana do Castelo

Gemeniana Branco, 29 de Março de 1917

Foi numa exposição realizada a 24 de Agosto de 1917 no artístico Pavilhão, no Campo d´Agonia em Viana do Castelo, que Gemeniana Branco deu a conhecer os seus trabalhos e que desde então dá início a uma profissionalização desta prática. Germeniana era uma jovem mulher com recursos, ligações e capacidade de iniciativa. Características que a levaram a transformar uma tarefa de uso essencialmente doméstico a uma atividade económica. Esta mulher fá-lo não só por si que dados os seus recursos não necessitava mas por princípios e valores que partilhava com mulheres como Berta Machado ou Ana de Castro Osório, que quando Portugal entrou na I Grande Guerra foram as fundadoras da Cruzada das Mulheres Portuguesas que tinha como objetivo diminuir a miséria das famílias portuguesas da altura. Foi neste contexto que Gemeniana se lança ao trabalho ajudando mulheres carenciadas no sustento das suas famílias em Viana e nos arredores. A área de produção do Borda…

Filigrana Portuguesa

Coração de Viana

A filigrana é um trabalho minucioso e ornamental que é realizado com perícia e delicadeza. É uma técnica de ourivesaria, e insere-se no tipo de ourivesaria popular, apesar de não ser específica da nossa tradição cultural encontra-mo-la noutros países e culturas, pode ser considerada uma das formas mais características das artes portuguesas. Pequenas bolas de metal e fios muito finos soldados e achatados provocando o efeito trança, de forma a obter desenhos como estes.
Cruz de Malta


Metais como o ouro e a prata são os mais trabalhados nesta arte, e estão presentes na história da humanidade nunca caindo em desuso, desde a Antiguidade até aos dias de hoje.  Recriação contemporânea de Joana Vasconcelos  


No norte do pais a tradição da filigrana continua presente nos adornos das mulheres minhotas, desde os trajes de noivas, aos trajes dos ranchos folclóricos e até no café de domingo à tarde.
Brincos Rainha

Vamos até ao 3º milénio a.c. no Médio Oriente onde a filigrana foi difundi…

Lenços

~ Foto: Nuno Reis


Os lenços de Viana como são conhecidos fazem parte do imaginário português. São coloridos na sua base onde assentam cercadura de flores grandes e coloridas destacando as quatro cores principais: vermelho, amarelo, branco e azul.



Postal antigo: Lavadeiras Viana de Castelo
“A veste organiza-se em: saia franzida, colete justo apertado com fitilho e camisa branca, sobre a qual se apõe o avental, a algibeira e o lenço. Na cabeça, colocava-se um lenço idêntico ao do peito. Nos pés, calçavam chinelas também bordadas, à maneira barroca, e meias arrendadas.” (Teixeira: Madalena Braz, O traje regional, Português eo Folclore VII )


Estão presentes ao longo da história da humanidade em vários momentos históricos: • Segundo a lenda a primeira mulher que usou um lenço foi a rainha egípcia Nefertiti no ano de 1350 a.c.; • Em 230 a.c. na China no reinado do Imperador Cheng os lenços tinham uma utilização funcional que servia para identificarem os funcionários ou guerreiros chineses; • Na R…