Avançar para o conteúdo principal

Bordado de Guimarães

Toalha de mesa, pormenor
Século XX, 2º quartel


Porque Guimarães esta em destaque e em homenagem a todas as bordadeiras que ainda hoje continuam a contribuir com os seus trabalhos e a sua dedicação para a visibilidade, de um dos, bordados mais bonitos de Portugal. Deixo aqui um cheirinho do que podem também apreciar em Guimarães. 
O bordado de Guimarães é acima de tudo um produto de um território dito fértil em águas e em terras úberes para acolheram o cultivo do linho. A riqueza natural do território vimaranense vai ser um dos principais fatores que leva à fixação do homem e é esse homem que vai encontrar, na sua perícia e no seu engenho neste território, os meios fundamentais ao cultivo do linho e à feitura do pano.
O linho, é o suporte vulgarmente usado para criar o bordado de Guimarães. Ao linho em terras vimaranenses podemos apontar data longínqua (no foral concedido por D. Henrique a Guimarães, em 1096, este já aparece referido), o mesmo não podemos afirmar em relação ao bordado. Encontramos referências documentais a tecidos bordados existentes em terra vimaranense desde o século X, contudo só no final do século XIX, é que encontrarmos a primeira referência documental a bordados feitos em solo vimaranense.
O «bordado de Guimarães» parece só começar a ganhar alma e visibilidade no final do século XIX, início do século XX. É só nessa altura que se podem encontrar algumas referências as suas raízes.
O bordado de Guimarães entronca no que se designa hoje em dia por «bordado rico», ou isto é, um bordado executado a linha branca habitualmente sobre pano de linho cru e fino, por vezes de origem estrangeira, e no qual são aplicados diversos pontos minuciosa e delicadamente bordados por mãos bem treinadas. O termo «bordado rico» é utilizado ainda atualmente pelas bordadeiras vimaranenses, querendo com ele fazer a diferença entre o bordado atrás descrito – o «bordado rico», e o bordado popular, executado normalmente pelo povo e para o povo. Este «bordado rico» português, fazia-se e usava-se em todo o País, possivelmente com sentidas influências dos bordados de outros países europeus.
Na altura podia destingir-se entre o bordado rico e o bordado popular, executado por senhoras vimaranenses e destinado a ornamentar principalmente roupa de cama e roupa interior, esse bordado rico esteve presente na Exposição Industrial de Guimarães, que decorreu na cidade, decorria o ano de 1884.

 Colete de «rabos» de mulher  / Camisa de homem
 Século XX, 1º quartel  / Século XX, 1º quartel


Na exposição não foram expostas peças usadas pelo povo tais como: a camisa do lavrador, a camisa e o colete de «rabichos» (também designados «rabos») da lavradeira. Apareceu apenas o «bordado rico», e, é a este e aos seus pontos que julgamos ter ido o «bordado de Guimarães» procurar influências e inspiração.
O bordado que hoje se produz em Guimarães, mas também em Felgueiras é a evolução do bordado popular usado nos trajes rurais vimaranenses, desde pelo menos o final do século XIX início do século XX, e que por sua vez foi influenciado pelo bordado rico oitocentista. Atualmente o bordado de Guimarães, tem características bem evidentes e diferenciadoras – nos materiais (suporte e linha), nos motivos, na gama de pontos utilizados, nas cores usadas isoladamente (branco, bege, azul, vermelho e cinzento), na perfeição do desenho e da execução – e um mercado seguro que se pretende venha a ser alargado.




"A Oficina, CIPRL, entidade promotora de certificação do Bordado de Guimarães, apresentou ao INPI – Instituto Nacional da Propriedade Industrial, em 03 de Abril de 2006, o pedido de Registo da Indicação Geográfica “Bordado de Guimarães”, pedido esse que foi publicado no Boletim da Propriedade Industrial em Maio de 2006. Trata-se de uma marca composta de símbolo e denominação, cujo manual de identidade gráfica foi igualmente remetido ao INPI."

Contacto:
A Oficina CIPRL
Av. D. Afonso Henriques, 701
4810-431 Guimarães
Tel. 253 424 700
Fax 253 424 710

email: geral@aoficina.pt
www.aoficina.pt

Informação retirada do Caderno de especificações (Bordado de Guimarães)
Fernandes, Isabel Maria - Bordado de Guimarães renovar a tradição, Campo das Letras,Guimarães 



Comentários

Mensagens populares deste blogue

Bordados de Viana do Castelo

Gemeniana Branco, 29 de Março de 1917

Foi numa exposição realizada a 24 de Agosto de 1917 no artístico Pavilhão, no Campo d´Agonia em Viana do Castelo, que Gemeniana Branco deu a conhecer os seus trabalhos e que desde então dá início a uma profissionalização desta prática. Germeniana era uma jovem mulher com recursos, ligações e capacidade de iniciativa. Características que a levaram a transformar uma tarefa de uso essencialmente doméstico a uma atividade económica. Esta mulher fá-lo não só por si que dados os seus recursos não necessitava mas por princípios e valores que partilhava com mulheres como Berta Machado ou Ana de Castro Osório, que quando Portugal entrou na I Grande Guerra foram as fundadoras da Cruzada das Mulheres Portuguesas que tinha como objetivo diminuir a miséria das famílias portuguesas da altura. Foi neste contexto que Gemeniana se lança ao trabalho ajudando mulheres carenciadas no sustento das suas famílias em Viana e nos arredores. A área de produção do Borda…

Filigrana Portuguesa

Coração de Viana

A filigrana é um trabalho minucioso e ornamental que é realizado com perícia e delicadeza. É uma técnica de ourivesaria, e insere-se no tipo de ourivesaria popular, apesar de não ser específica da nossa tradição cultural encontra-mo-la noutros países e culturas, pode ser considerada uma das formas mais características das artes portuguesas. Pequenas bolas de metal e fios muito finos soldados e achatados provocando o efeito trança, de forma a obter desenhos como estes.
Cruz de Malta


Metais como o ouro e a prata são os mais trabalhados nesta arte, e estão presentes na história da humanidade nunca caindo em desuso, desde a Antiguidade até aos dias de hoje.  Recriação contemporânea de Joana Vasconcelos  


No norte do pais a tradição da filigrana continua presente nos adornos das mulheres minhotas, desde os trajes de noivas, aos trajes dos ranchos folclóricos e até no café de domingo à tarde.
Brincos Rainha

Vamos até ao 3º milénio a.c. no Médio Oriente onde a filigrana foi difundi…

Lenços

~ Foto: Nuno Reis


Os lenços de Viana como são conhecidos fazem parte do imaginário português. São coloridos na sua base onde assentam cercadura de flores grandes e coloridas destacando as quatro cores principais: vermelho, amarelo, branco e azul.



Postal antigo: Lavadeiras Viana de Castelo
“A veste organiza-se em: saia franzida, colete justo apertado com fitilho e camisa branca, sobre a qual se apõe o avental, a algibeira e o lenço. Na cabeça, colocava-se um lenço idêntico ao do peito. Nos pés, calçavam chinelas também bordadas, à maneira barroca, e meias arrendadas.” (Teixeira: Madalena Braz, O traje regional, Português eo Folclore VII )


Estão presentes ao longo da história da humanidade em vários momentos históricos: • Segundo a lenda a primeira mulher que usou um lenço foi a rainha egípcia Nefertiti no ano de 1350 a.c.; • Em 230 a.c. na China no reinado do Imperador Cheng os lenços tinham uma utilização funcional que servia para identificarem os funcionários ou guerreiros chineses; • Na R…