Avançar para o conteúdo principal

Confiança - Saboaria e Perfumaria desde 1894

Cheiros de Portugal e de Confiança
Sabonetes Confiança

A Saboaria e Perfumaria Confiança teve início no norte de Portugal, mais propriamente em Braga, no dia 12 de Outubro de 1894, sob a orientação da dupla Silva Almeida e Santos Pereira.
Começou por ser especializada no fabrico de sabão offenbach, posteriormente criou-se uma associação quase imediata à qualidade aos produtos da Confiança. A empresa vendia e apostava essencialmente em Portugal e nas colónias Portugueses da altura.

A reputação alcançada no sabão, deu abertura de mercado à Confiança para se emancipar comercializar produtos de beleza sendo um mercado por explorar na altura em Portugal. A empresa surpreende o mercado com produtos de cosmética de elevada qualidade e fabricados em Portugal. 1910 foi o ano que ficou marcada o pelo lançamento das primeiras marcas próprias, apresentando designes e fórmulas originais adaptadas. Com o fim da 1ª Grande Guerra e com as provas de sucesso um novo período de forte expansão na Confiança se seguiu, e que se refletiu no desenvolvimento da empresa e no aperfeiçoamento técnico dos aspetos produtivos assim como na conquista de novos mercados. A ampliação das instalações fabris era uma necessidade que se concretizou e na qual se incluem uma tipografia e uma cartonagem, onde se produziam as embalagens.




Em 1919 foi outro ano importante pois a gama de produtos produzidos e comercializados pela Confiança alargava-se a sabonetes perfumados, finos, transparentes, pó de arroz, águas de colónia, sabonetes medicinais, extratos extrafinos e óleos provenientes das então colónias Portuguesas.
Depois de 1920 a presença dos produtos Confiança emergia já em todo o território nacional incluindo as ilhas dos Açores e da Madeira. São levados a cabo esforços de investigação e desenvolvimento dentro da Confiança que culmina com o registo de várias patentes referentes aos processos de fabrico e formulações químicas.
É impressionante saber que em 1928 fabricavam-se cerca de 150 marcas diferentes de sabonetes, pó de arroz, cremes, pastas dentífricas, stiques de barbear, águas de colónia, loções e essências.
Espuma de Barbear

Os ingredientes usados são de origem natural vegetal e não são testados em animais, segundo informação recolhida. Os sabonetes são manipulados obedecendo às melhores práticas de fabrico na indústria cosmética.
Na década 80 a Confiança começa a desenvolver novos cosméticos, adaptando e oferecendo outras fórmulas novas, de forma a responder ao pedido incessante de novos produtos satisfazendo assim os seus clientes.

Sabonetes Confiança

Quem diria que depois deste percurso fabuloso a empresa em finais de 2005, iria encontrar-se em situação financeira debilitada, acabando a empresa por ser adquirida por uma capital de risco portuguesa. Com os esforços de ré-organização e investimento como ações prioritárias, foi já possível concretizar a certificação pela ISO 9001:2000, tornando-se assim de forma louvável na única empresa do sector que vê reconhecidos os seus métodos de produção e produtos.
Novos Produtos 

São uma prioridade na Confiança a aposta na melhoria dos produtos existentes, das embalagem, da oferta e o desenvolvimento de novos produtos, tendo em conta as origens e os métodos tradicionais, transmitidos de geração em gerações. Estão presentes influências artísticas da Art Nouveau e da Art Déco dos loucos anos 20, continuam ainda bem patentes nos produtos clássicos da Confiança. A harmonia da forma, às características do sabonete e à embalagem, é uma arte e característica diferenciadora na Confiança que se perpetua ao longo gerações. Toda essa essência da Confiança, produtos que ganharam a nossa confiança de forma genuína.
Novidades da Marca



Contactos:
Saboaria e Perfumaria Confiança, S.A.
Lugar do Vontigo Lote 1-1A - Zona Industrial Sobreposta
Apartado 1085 - Este S. Mamede
4715-515 Braga

Telf:+351 229 289 821/2
Fax: +351 229 260 331

Website:
http://www.confiancasoaps.com/

E-mail:
mail@confiancasoaps.com



Comentários

Mensagens populares deste blogue

Bordados de Viana do Castelo

Gemeniana Branco, 29 de Março de 1917

Foi numa exposição realizada a 24 de Agosto de 1917 no artístico Pavilhão, no Campo d´Agonia em Viana do Castelo, que Gemeniana Branco deu a conhecer os seus trabalhos e que desde então dá início a uma profissionalização desta prática. Germeniana era uma jovem mulher com recursos, ligações e capacidade de iniciativa. Características que a levaram a transformar uma tarefa de uso essencialmente doméstico a uma atividade económica. Esta mulher fá-lo não só por si que dados os seus recursos não necessitava mas por princípios e valores que partilhava com mulheres como Berta Machado ou Ana de Castro Osório, que quando Portugal entrou na I Grande Guerra foram as fundadoras da Cruzada das Mulheres Portuguesas que tinha como objetivo diminuir a miséria das famílias portuguesas da altura. Foi neste contexto que Gemeniana se lança ao trabalho ajudando mulheres carenciadas no sustento das suas famílias em Viana e nos arredores. A área de produção do Borda…

Filigrana Portuguesa

Coração de Viana

A filigrana é um trabalho minucioso e ornamental que é realizado com perícia e delicadeza. É uma técnica de ourivesaria, e insere-se no tipo de ourivesaria popular, apesar de não ser específica da nossa tradição cultural encontra-mo-la noutros países e culturas, pode ser considerada uma das formas mais características das artes portuguesas. Pequenas bolas de metal e fios muito finos soldados e achatados provocando o efeito trança, de forma a obter desenhos como estes.
Cruz de Malta


Metais como o ouro e a prata são os mais trabalhados nesta arte, e estão presentes na história da humanidade nunca caindo em desuso, desde a Antiguidade até aos dias de hoje.  Recriação contemporânea de Joana Vasconcelos  


No norte do pais a tradição da filigrana continua presente nos adornos das mulheres minhotas, desde os trajes de noivas, aos trajes dos ranchos folclóricos e até no café de domingo à tarde.
Brincos Rainha

Vamos até ao 3º milénio a.c. no Médio Oriente onde a filigrana foi difundi…

Lenços

~ Foto: Nuno Reis


Os lenços de Viana como são conhecidos fazem parte do imaginário português. São coloridos na sua base onde assentam cercadura de flores grandes e coloridas destacando as quatro cores principais: vermelho, amarelo, branco e azul.



Postal antigo: Lavadeiras Viana de Castelo
“A veste organiza-se em: saia franzida, colete justo apertado com fitilho e camisa branca, sobre a qual se apõe o avental, a algibeira e o lenço. Na cabeça, colocava-se um lenço idêntico ao do peito. Nos pés, calçavam chinelas também bordadas, à maneira barroca, e meias arrendadas.” (Teixeira: Madalena Braz, O traje regional, Português eo Folclore VII )


Estão presentes ao longo da história da humanidade em vários momentos históricos: • Segundo a lenda a primeira mulher que usou um lenço foi a rainha egípcia Nefertiti no ano de 1350 a.c.; • Em 230 a.c. na China no reinado do Imperador Cheng os lenços tinham uma utilização funcional que servia para identificarem os funcionários ou guerreiros chineses; • Na R…