Avançar para o conteúdo principal

Chá Gorreana

Plantações Gorreana, São Migguel, Açores.

A história da introdução do chá em S. Miguel, cruza-se com a da vida das famílias micaelenses. Fundado pela família Gago da Câmara operando já em cinco gerações. Assim surge o chá Gorreana, pelo empenho de Hermelinda Pacheco Gago da Câmara em 1883 que apesar dos filhos que teve, o Gorrreana acaba por ficar para a sua neta Angelina. É ela que vem a casar com Jaime Hintze (família, de origem alemã, veio para Portugal no século XVIII) que se entregou à plantação e proporcionou o seu crescimento.
O filho de Jaime e Argelina, Fernando, casa com Berta Ferreira Meireles. E continua a obra do pai, comprando grande parte das máquinas que, estão ainda em funcionamento. Mas vai mais longe e constrói uma central termo elétrica, uma alternativa à hidroelétrica. Fernando morre muito novo, deixando apenas uma filha, Margarida Hintze. Em 1966, Margarida casa com Hermano Mota. Neste momento é a família Mota e, Hermano Mota, quem impulsiona a plantação. O chá apareceu na ilha graças a Jacinto Leite (micaelense) por volta de 1820, que traz as sementes do Brasil. O seu cultivo foi depois incentivado pela Sociedade Promotora da Agricultura Micaelense, que, em resposta à crise da laranja, mandou vir em 1878, para a Ilha de S. Miguel as primeiras sementes de C. sinensis, a planta do chá.
Mais tarde foram chamados dois especialistas chineses cujo objetivo era ensinar aos fabricantes locais as técnicas de preparação das folhas. Todas as variedades de chá provêm dos rebentos jovens desta planta, as diferenças derivam de diversos fatores tais como: clima, período da colheita e do tratamento a que são submetidos.

Empresa mais antiga de chá da Europa, reconhecida a nível mundial pelo seu mercado de exportação para o mundo


Em tempos de ascensão chegaram a funcionar na Ilha de S. Miguel mais de uma dezena de plantações com fabrico próprio. Nas quais encontrava-se a Gorreana que é atualmente, a única plantação com fábrica de chá em toda a Europa, já vai para mais de 125 anos. Explora 23 hectares, uma área com capacidade de produção de cerca de 40 toneladas de chá seco. Cultivado longe da poluição industrial, sem uso de pesticidas, herbicidas ou fungicida numa propriedade onde a alta qualidade é um dos objetivos.

Gorreana: qualidade e requinte 


A Gorreana produz chá verde e chá preto ortodoxo, designado assim porque durante o processo de transformação das folhas estas ficam na sua maioria, enroladas e inteiras, assim como acontecia ao chá que era trabalhado com as mãos e não utilizando as novas tecnologias.
O processo de transformação tradicional ortodoxo do chá depreende várias fases:

- Emurchamento;
- Enrolamento
- Fermentação
- Secagem
- Escolha, armazenagem e embalagem

Tabuleiros para emurchamento do chá.

Enrolador de chá.

Tabuleiros onde se processa a fermentação de chá

Secagem das folhas de chá

Crivos que separam as folhas de chá por tamanho, originando  diferentes tipos de chá preto.

Selecção e embalagem do chá.

Máquina que gera vapor, onde se colocam as folhas de chá e se processa “steaming” que inactiva as enzimas responsáveis pela fermentação, originando assim chá verde.

Produto Final 


Segundo uma lenda chinesa, o chá foi descoberto pelo imperador Shen-Nung por volta do ano 2737 a.C. No continente europeu a introdução do chá é claramente atribuída aos portugueses, em 1560, através das trocas comerciais que mantinham com o oriente. E foi daqui que surgiu para outros países da Europa levado pela Companhia Holandesa das Índias Orientais. Também a Grã-Bretanha se tornou um país de enorme consumo através da influência portuguesa. Foi a princesa Catarina de Bragança, esposa do rei D. Carlos II, uma grande apreciadora do chá, que em 1662, o difundiu na corte inglesa. Teve um forte impulso pela duquesa de Bedford, que para eliminar uma sensação de fraqueza introduziu o hábito de beber o “chá das cinco”.

Fonte: Dra. Sandra Jorge – INETI, DTIQ in http://www.cienciaviva.pt/projectos/pulsar/cha.asp
http://www.gorreanatea.com/

The Gorreana Tea Estate
304 Gorreana
S. Miguel, Azores 9625
Europe

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Bordados de Viana do Castelo

Gemeniana Branco, 29 de Março de 1917

Foi numa exposição realizada a 24 de Agosto de 1917 no artístico Pavilhão, no Campo d´Agonia em Viana do Castelo, que Gemeniana Branco deu a conhecer os seus trabalhos e que desde então dá início a uma profissionalização desta prática. Germeniana era uma jovem mulher com recursos, ligações e capacidade de iniciativa. Características que a levaram a transformar uma tarefa de uso essencialmente doméstico a uma atividade económica. Esta mulher fá-lo não só por si que dados os seus recursos não necessitava mas por princípios e valores que partilhava com mulheres como Berta Machado ou Ana de Castro Osório, que quando Portugal entrou na I Grande Guerra foram as fundadoras da Cruzada das Mulheres Portuguesas que tinha como objetivo diminuir a miséria das famílias portuguesas da altura. Foi neste contexto que Gemeniana se lança ao trabalho ajudando mulheres carenciadas no sustento das suas famílias em Viana e nos arredores. A área de produção do Borda…

Filigrana Portuguesa

Coração de Viana

A filigrana é um trabalho minucioso e ornamental que é realizado com perícia e delicadeza. É uma técnica de ourivesaria, e insere-se no tipo de ourivesaria popular, apesar de não ser específica da nossa tradição cultural encontra-mo-la noutros países e culturas, pode ser considerada uma das formas mais características das artes portuguesas. Pequenas bolas de metal e fios muito finos soldados e achatados provocando o efeito trança, de forma a obter desenhos como estes.
Cruz de Malta


Metais como o ouro e a prata são os mais trabalhados nesta arte, e estão presentes na história da humanidade nunca caindo em desuso, desde a Antiguidade até aos dias de hoje.  Recriação contemporânea de Joana Vasconcelos  


No norte do pais a tradição da filigrana continua presente nos adornos das mulheres minhotas, desde os trajes de noivas, aos trajes dos ranchos folclóricos e até no café de domingo à tarde.
Brincos Rainha

Vamos até ao 3º milénio a.c. no Médio Oriente onde a filigrana foi difundi…

Lenços

~ Foto: Nuno Reis


Os lenços de Viana como são conhecidos fazem parte do imaginário português. São coloridos na sua base onde assentam cercadura de flores grandes e coloridas destacando as quatro cores principais: vermelho, amarelo, branco e azul.



Postal antigo: Lavadeiras Viana de Castelo
“A veste organiza-se em: saia franzida, colete justo apertado com fitilho e camisa branca, sobre a qual se apõe o avental, a algibeira e o lenço. Na cabeça, colocava-se um lenço idêntico ao do peito. Nos pés, calçavam chinelas também bordadas, à maneira barroca, e meias arrendadas.” (Teixeira: Madalena Braz, O traje regional, Português eo Folclore VII )


Estão presentes ao longo da história da humanidade em vários momentos históricos: • Segundo a lenda a primeira mulher que usou um lenço foi a rainha egípcia Nefertiti no ano de 1350 a.c.; • Em 230 a.c. na China no reinado do Imperador Cheng os lenços tinham uma utilização funcional que servia para identificarem os funcionários ou guerreiros chineses; • Na R…