Avançar para o conteúdo principal

Barrete Símbolo da República


No inicio todos os barretes eram pretos ou cinzento-escuro, distanciando-se do grupo social ou região do país. Atualmente se passarmos pelas praias da Nazaré ou da Póvoa do Varzim podemos encontra-los entre os pescadores ou até mesmo na região saloia.
Os barretes podem ser agrupados em dois grupos de cores os verdes e vermelhos e os pretos. Os primeiros eram usados pelos campinos do Ribatejo e pelos forcados, por sua vez os segundos eram usados pelos trabalhadores rurais e piscatório em toda a Beira Litoral, além de servirem de agasalho, também eram utilizados como algibeira para guardar o tabaco, fósforos e dinheiro, guardando os objetos no fundo do forro para não apanharem humidade sendo desta forma justificado o cumprimento.
Nos finais do século XIX e inícios do século XX, o traje tradicional apresenta algumas permeabilidades às modas e a também a outros interesses que o levam a fazer algumas modificações. Muitas dessas alterações não estão exclusivamente relacionadas com as influências da moda mas estão relacionadas com fins de propaganda turística e política, exemplos disso ocorreram em grande medida durante o período do Estado Novo.
Faz cento e um anos que foi instaurado em Portugal o regime republicano. O Ribatejo era uma das regiões de maior implantação política dos republicanos da altura. Foi um ribatejano de nome José Relvas, que hasteou a bandeira do novo regime nos Paços do Concelho, em Lisboa.
A bandeira que foi hasteada pertencia a um pequeno grupo político, o Centro Democrático Federal, a bandeira como a conhecemos só mais tarde viria a ser concebida e aprovada pela Assembleia Nacional Constituinte no ano seguinte.
Foto: M&S 
“A Liberdade guiando o Povo” de Eugène Delacroix Museu do Louvre

A Liberdade guiando o Povo” de Eugène Delacroix, foi uma fonte de inspiração para os republicanos que criaram uma figura alegórica para representar a República, à semelhança do que fizeram os franceses à sua Marianne. O modelo escolhido foi uma jovem alentejana de Arraiolos que vivia em Lisboa, Ilda Pulga. E, à semelhança do que os franceses fizeram com a Marianne, colocaram-lhe também sobre a cabeça um barrete frígio ou também conhecido como barrete da liberdade, um dos símbolos do regime republicano.
Ilda Pulga, Rosto da República

Por ter sido primitivamente usado pelos habitantes da Frígia o barrete ficou assim designado A Frígia constituía uma região da Ásia Menor, onde atualmente se encontra a Turquia. Os republicanos franceses adotaram-no, sob a cor vermelha, simbolizando a liberdade. Também os republicanos portugueses viram certamente no barrete do campino ribatejano uma identificação de barrete frígio, genuinamente português, podendo ser-lhe introduzidas as cores da República.
Com a divulgação do folclore em especial na altura do Estado Novo, a ideia do barrete verde enraizou-se nos costumes ribatejanos e tornou-se uma peça considerada genuína do traje do campino.
Existe em Portugal a única fábrica a nível mundial onde são fabricados barretes de campinos ribatejanos de cor verde e vermelha, das sarnadas e dos pescadores da Nazaré de cor preta, esta localizada no Parque Industrial do Safrujo, em Castanheira de Pera.




Comentários

Mensagens populares deste blogue

Bordados de Viana do Castelo

Gemeniana Branco, 29 de Março de 1917

Foi numa exposição realizada a 24 de Agosto de 1917 no artístico Pavilhão, no Campo d´Agonia em Viana do Castelo, que Gemeniana Branco deu a conhecer os seus trabalhos e que desde então dá início a uma profissionalização desta prática. Germeniana era uma jovem mulher com recursos, ligações e capacidade de iniciativa. Características que a levaram a transformar uma tarefa de uso essencialmente doméstico a uma atividade económica. Esta mulher fá-lo não só por si que dados os seus recursos não necessitava mas por princípios e valores que partilhava com mulheres como Berta Machado ou Ana de Castro Osório, que quando Portugal entrou na I Grande Guerra foram as fundadoras da Cruzada das Mulheres Portuguesas que tinha como objetivo diminuir a miséria das famílias portuguesas da altura. Foi neste contexto que Gemeniana se lança ao trabalho ajudando mulheres carenciadas no sustento das suas famílias em Viana e nos arredores. A área de produção do Borda…

Filigrana Portuguesa

Coração de Viana

A filigrana é um trabalho minucioso e ornamental que é realizado com perícia e delicadeza. É uma técnica de ourivesaria, e insere-se no tipo de ourivesaria popular, apesar de não ser específica da nossa tradição cultural encontra-mo-la noutros países e culturas, pode ser considerada uma das formas mais características das artes portuguesas. Pequenas bolas de metal e fios muito finos soldados e achatados provocando o efeito trança, de forma a obter desenhos como estes.
Cruz de Malta


Metais como o ouro e a prata são os mais trabalhados nesta arte, e estão presentes na história da humanidade nunca caindo em desuso, desde a Antiguidade até aos dias de hoje.  Recriação contemporânea de Joana Vasconcelos  


No norte do pais a tradição da filigrana continua presente nos adornos das mulheres minhotas, desde os trajes de noivas, aos trajes dos ranchos folclóricos e até no café de domingo à tarde.
Brincos Rainha

Vamos até ao 3º milénio a.c. no Médio Oriente onde a filigrana foi difundi…

Lenços

~ Foto: Nuno Reis


Os lenços de Viana como são conhecidos fazem parte do imaginário português. São coloridos na sua base onde assentam cercadura de flores grandes e coloridas destacando as quatro cores principais: vermelho, amarelo, branco e azul.



Postal antigo: Lavadeiras Viana de Castelo
“A veste organiza-se em: saia franzida, colete justo apertado com fitilho e camisa branca, sobre a qual se apõe o avental, a algibeira e o lenço. Na cabeça, colocava-se um lenço idêntico ao do peito. Nos pés, calçavam chinelas também bordadas, à maneira barroca, e meias arrendadas.” (Teixeira: Madalena Braz, O traje regional, Português eo Folclore VII )


Estão presentes ao longo da história da humanidade em vários momentos históricos: • Segundo a lenda a primeira mulher que usou um lenço foi a rainha egípcia Nefertiti no ano de 1350 a.c.; • Em 230 a.c. na China no reinado do Imperador Cheng os lenços tinham uma utilização funcional que servia para identificarem os funcionários ou guerreiros chineses; • Na R…