Avançar para o conteúdo principal

Vidros Marinha Grande



Segundo informação retirada da site da Câmara Municipal da Marinha Grande, já no século XV teria sido instalado na Marinha Grande um forno para apoio da reparação dos vitrais do Mosteiro da Batalha.
O vidro era obtido através da incineração de produtos naturais com carbonato de sódio. Existem registos de vários fornos para a produção em Portugal, contudo foi lenta a passagem de uma produção artesanal e limitada, para a produção industrial.
Mas foi no ano de 1748 que o irlandês Beare transfere a fábrica que explorava em Coina em consequência da falta de combustível para a Marinha Grande que beneficiava da proximidade do Pinhal de Leiria. A abundância de matérias primas e de carburante permitiram o fomento dessa indústria na região.



Só em 1769 o inglês Guilherme Stephens beneficiado pelo alvará de D. João V e com todo o apoio de Marquês de Pombal fez renascer a fábrica e dá-lhe um novo impulso e prestígio em vidro manual soprado que deram à Marinha Grande o estatuto de Capital do Vidro. 



Por sucessão surge o seu irmão João Diogo e todos os apaixonados desta arte que marcou e continua a marcar gerações e gerações de marinhenses cuja vida é dedicada à arte de fazer vidro. Dando continuidade à tradição plurissecular da arte do fogo, aliando e introduzindo técnicas inovadoras.



Peças : Depósito da Marinha Grande 
Lisboa - Lapa
R São Bento 159,1º-D, Lisboa
1200-817 LISBOA
telf: 213 955 818 
fax: 213 965 693

geral@dmg.com.pt



A indústria de vidro é composta por três sub-sectores:
O vidro plano
O vidro de embalagem
A cristalaria

A produção de um artigo de vidro é composta por duas fases:
A produção da peça lisa, sem decoração
A peça acabada que inclui operações como a lapidação, foscagem (a ácido ou a jacto de areia), pintura e pantogravura.

Museu do Vidro – Marinha Grande



Emília Margarida Marques
Os Operários e as suas Máquinas: Usos Sociais da Técnica no Trabalho Vidreiro, 
2009, FCT/FCG

O museu do vidro no Palácio Stephens
Praça Guilherme Stephens
Marinha Grande 
2430-960 Marinha Grande
Telf: 244573377/244561710
www.cm-mgrande.pt











Comentários

Mensagens populares deste blogue

Bordados de Viana do Castelo

Gemeniana Branco, 29 de Março de 1917

Foi numa exposição realizada a 24 de Agosto de 1917 no artístico Pavilhão, no Campo d´Agonia em Viana do Castelo, que Gemeniana Branco deu a conhecer os seus trabalhos e que desde então dá início a uma profissionalização desta prática. Germeniana era uma jovem mulher com recursos, ligações e capacidade de iniciativa. Características que a levaram a transformar uma tarefa de uso essencialmente doméstico a uma atividade económica. Esta mulher fá-lo não só por si que dados os seus recursos não necessitava mas por princípios e valores que partilhava com mulheres como Berta Machado ou Ana de Castro Osório, que quando Portugal entrou na I Grande Guerra foram as fundadoras da Cruzada das Mulheres Portuguesas que tinha como objetivo diminuir a miséria das famílias portuguesas da altura. Foi neste contexto que Gemeniana se lança ao trabalho ajudando mulheres carenciadas no sustento das suas famílias em Viana e nos arredores. A área de produção do Borda…

Filigrana Portuguesa

Coração de Viana

A filigrana é um trabalho minucioso e ornamental que é realizado com perícia e delicadeza. É uma técnica de ourivesaria, e insere-se no tipo de ourivesaria popular, apesar de não ser específica da nossa tradição cultural encontra-mo-la noutros países e culturas, pode ser considerada uma das formas mais características das artes portuguesas. Pequenas bolas de metal e fios muito finos soldados e achatados provocando o efeito trança, de forma a obter desenhos como estes.
Cruz de Malta


Metais como o ouro e a prata são os mais trabalhados nesta arte, e estão presentes na história da humanidade nunca caindo em desuso, desde a Antiguidade até aos dias de hoje.  Recriação contemporânea de Joana Vasconcelos  


No norte do pais a tradição da filigrana continua presente nos adornos das mulheres minhotas, desde os trajes de noivas, aos trajes dos ranchos folclóricos e até no café de domingo à tarde.
Brincos Rainha

Vamos até ao 3º milénio a.c. no Médio Oriente onde a filigrana foi difundi…

Lenços

~ Foto: Nuno Reis


Os lenços de Viana como são conhecidos fazem parte do imaginário português. São coloridos na sua base onde assentam cercadura de flores grandes e coloridas destacando as quatro cores principais: vermelho, amarelo, branco e azul.



Postal antigo: Lavadeiras Viana de Castelo
“A veste organiza-se em: saia franzida, colete justo apertado com fitilho e camisa branca, sobre a qual se apõe o avental, a algibeira e o lenço. Na cabeça, colocava-se um lenço idêntico ao do peito. Nos pés, calçavam chinelas também bordadas, à maneira barroca, e meias arrendadas.” (Teixeira: Madalena Braz, O traje regional, Português eo Folclore VII )


Estão presentes ao longo da história da humanidade em vários momentos históricos: • Segundo a lenda a primeira mulher que usou um lenço foi a rainha egípcia Nefertiti no ano de 1350 a.c.; • Em 230 a.c. na China no reinado do Imperador Cheng os lenços tinham uma utilização funcional que servia para identificarem os funcionários ou guerreiros chineses; • Na R…