Avançar para o conteúdo principal

Bordados de Viana do Castelo


Gemeniana Branco, 29 de Março de 1917


Foi numa exposição realizada a 24 de Agosto de 1917 no artístico Pavilhão, no Campo d´Agonia em Viana do Castelo, que Gemeniana Branco deu a conhecer os seus trabalhos e que desde então dá início a uma profissionalização desta prática.
Germeniana era uma jovem mulher com recursos, ligações e capacidade de iniciativa. Características que a levaram a transformar uma tarefa de uso essencialmente doméstico a uma atividade económica. Esta mulher fá-lo não só por si que dados os seus recursos não necessitava mas por princípios e valores que partilhava com mulheres como Berta Machado ou Ana de Castro Osório, que quando Portugal entrou na I Grande Guerra foram as fundadoras da Cruzada das Mulheres Portuguesas que tinha como objetivo diminuir a miséria das famílias portuguesas da altura. Foi neste contexto que Gemeniana se lança ao trabalho ajudando mulheres carenciadas no sustento das suas famílias em Viana e nos arredores.
A área de produção do Bordado de Viana do Castelo engloba a totalidade do território do Município de Viana do Castelo e os municípios que integram a Região de Turismo do Alto Minho tais como: Arcos de Valdevez, Barcelos, Caminha, Esposende, Melgaço, Monção, Paredes de Coura, Ponte da Barca, Ponte do Lima, Terras de Bouro, Valença e Vila Nova de Cerveira.

O Bordado de Viana do Castelo deve ser executado sobre um tecido, tafetá, linho puro , algodão puro.
A cor mais utilizada para o tecido base tem sido o branco. Contudo, até porque o linho caseiro, por vezes, tem uma cor bege escuro – o “pano-cru”– desde o início da produção que foram utilizados tecidos em várias tonalidades de bege e cru. Nos anos quarenta tornou-se vulgar bordar-se sobre tecidos de cor viva como o vermelho ou o azul forte, tendência que perdura até aos dias de hoje.



A linha usada no Bordado de Viana do Castelo é a linha 100% de algodão, brilhante, o conhecido “perlé” número 8.
As cores das linhas a utilizar, são o branco, o azul e o vermelho, cujos números de referência (da marca Coats & Clark, a mais utilizada), são respetivamente o nº 01, o n.º 0134 e o n.º 047. Estas três cores tanto se usam em monocromia, como combinadas entre si, sendo raro aparecer o azul e vermelho sem o branco.



No Bordado de Viana do Castelo, a japoneira corresponde à estilização da camélia, flor conhecida por esta designação no Norte do País.










O Coração é, com a Japoneira um dos motivos mais presentes no Bordado de Viana do Castelo.



Continua atual a transposição para o Bordado de Viana do Castelo, a imagem das peças que integram a rica filigrana minhota, tão tradicionalmente usadas. Assim surgem, inspiradas nas peças da ourivesaria popular, desenhos de corações e também de cruzes laças ou borboletas, fios de contas e brincos.




Encontramos também trevo, quer de três quer de quatro folhas, de tamanho variado.



Marias e Mariões são flores constituídas por pétalas separadas umas das outras, que irradiam de um “olho” ou centro, redondo, podem existir variações.
A diferença do tamanho explica a diferença do nome, uma vez que as Marias apresentam uma dimensão média da ordem dos 3 ou 4 centímetro de diâmetro e os Mariões são maiores.



As estrelas são motivos de recorte aos bicos, sejam flores ou motivos de carácter mais geométrico. Uma das razões que explicam o seu desaparecimento do Bordado atual de Viana do Castelo é a maior dificuldade que representam, ao nível do risco e da sua execução. No seu desenho algumas aproximam-se das japoneiras, outras dos mariões.


Dados obtidos graças ao excelente trabalho de 
Ana Pires, Caderno de Especificações do Bordado de Viana do Castelo, Câmara Municipal de Viana do Castelo, 2006

Documento que suporta o Processo de certificação destes trabalhos onde são definidos e apresentados todos os elementos que caracterizam este produto e lhe confere especificidade e identidade.  


























Comentários

Mensagens populares deste blogue

Filigrana Portuguesa

Coração de Viana

A filigrana é um trabalho minucioso e ornamental que é realizado com perícia e delicadeza. É uma técnica de ourivesaria, e insere-se no tipo de ourivesaria popular, apesar de não ser específica da nossa tradição cultural encontra-mo-la noutros países e culturas, pode ser considerada uma das formas mais características das artes portuguesas. Pequenas bolas de metal e fios muito finos soldados e achatados provocando o efeito trança, de forma a obter desenhos como estes.
Cruz de Malta


Metais como o ouro e a prata são os mais trabalhados nesta arte, e estão presentes na história da humanidade nunca caindo em desuso, desde a Antiguidade até aos dias de hoje.  Recriação contemporânea de Joana Vasconcelos  


No norte do pais a tradição da filigrana continua presente nos adornos das mulheres minhotas, desde os trajes de noivas, aos trajes dos ranchos folclóricos e até no café de domingo à tarde.
Brincos Rainha

Vamos até ao 3º milénio a.c. no Médio Oriente onde a filigrana foi difundi…

Lenços

~ Foto: Nuno Reis


Os lenços de Viana como são conhecidos fazem parte do imaginário português. São coloridos na sua base onde assentam cercadura de flores grandes e coloridas destacando as quatro cores principais: vermelho, amarelo, branco e azul.



Postal antigo: Lavadeiras Viana de Castelo
“A veste organiza-se em: saia franzida, colete justo apertado com fitilho e camisa branca, sobre a qual se apõe o avental, a algibeira e o lenço. Na cabeça, colocava-se um lenço idêntico ao do peito. Nos pés, calçavam chinelas também bordadas, à maneira barroca, e meias arrendadas.” (Teixeira: Madalena Braz, O traje regional, Português eo Folclore VII )


Estão presentes ao longo da história da humanidade em vários momentos históricos: • Segundo a lenda a primeira mulher que usou um lenço foi a rainha egípcia Nefertiti no ano de 1350 a.c.; • Em 230 a.c. na China no reinado do Imperador Cheng os lenços tinham uma utilização funcional que servia para identificarem os funcionários ou guerreiros chineses; • Na R…