Avançar para o conteúdo principal

Lenços

~
Foto: Nuno Reis



Os lenços de Viana como são conhecidos fazem parte do imaginário português. São coloridos na sua base onde assentam cercadura de flores grandes e coloridas destacando as quatro cores principais: vermelho, amarelo, branco e azul.




Postal antigo: Lavadeiras Viana de Castelo

“A veste organiza-se em: saia franzida, colete justo apertado com fitilho e camisa branca, sobre a qual se apõe o avental, a algibeira e o lenço. Na cabeça, colocava-se um lenço idêntico ao do peito. Nos pés, calçavam chinelas também bordadas, à maneira barroca, e meias arrendadas.”
(Teixeira: Madalena Braz, O traje regional, Português eo Folclore VII ) 


Estão presentes ao longo da história da humanidade em vários momentos históricos:
Segundo a lenda a primeira mulher que usou um lenço foi a rainha egípcia Nefertiti no ano de 1350 a.c.;
Em 230 a.c. na China no reinado do Imperador Cheng os lenços tinham uma utilização funcional que servia para identificarem os funcionários ou guerreiros chineses;
Na Roma Antiga o lenço foi usado para aquecer (dai evolui para o cachecol) e limpar o suor; •Em Portugal na altura da partida da família real portuguesa para o Brasil em 1808, um dos episódios relatados foi o da invasão de piolhos que infestou o barco onde viajava Dona Carlota Joaquina, deixando a rainha e as suas acompanhantes de cabeça rapada e a desembarcar em S. Salvador da Bahia com um lenço na cabeça, curioso é o facto de o traje das Baianas conservar atualmente o lenço na cabeça; 



Dona Carlota Joaquina 


Em 1786, o imperador Napoleon Bonaparte enviou durante uma viagem à Índia um lenço de cashmere de presente à sua esposa Josephine de Beauharnais;
Em 1810 Beethoven apaixonou-se por Therese Malfatti e resolveu renovar o seu guarda –roupa na esperança de ganhar o coração da sua amada. Dessa renovação estão os lenços de seda que ele tanto usou agarrados aos pescoço;
A Rainha Vitória de Inglaterra para além de ter usado o primeiro o vestido de noiva branco é também uma das responsáveis pela popularização do lenço na cabeça;
Em 1837 mesma época em que a Hermés nasceu.


Em Portugal:
Segundo a história das relações comerciais no Índico pelo menos até ao século XVII, os tecidos indianos eram importantes moedas de troca e fonte de receitas no comércio com a costa oriental africana. A história apresenta os portugueses como comerciantes que vendiam em Mombassa lenços (lesos) peças de tecido estampados e cortadas com cerca de 60cm de largura, que traziam da Índia. Eram peças estampadas em parte com pintas brancas sob um fundo escuro, o padrão fazia lembrar as penas das galinhas da Índia.
A estamparia em Portugal entra tardiamente e só por volta de 1775 se introduziu de facto a estamparia de algodão, só que entretanto o comércio asiático desenvolveu-se sob o impulso da política pombalina, ajudando a recomposição “sem ouro” da economia portuguesa.
Em 1788 havia em Portugal 18 fábricas de chitas. A tecelagem nacional não era protegida e só sobreviveu a Real Fábrica de Lançaria de Alcobaça, que fornecia panos para a estamparia.
•Em 1880 os lenços nacionais foram substituídos pelos lenços austríacos por serem mais vistosos (dizem!)




Lenços portugueses


Os lenços sempre estiveram na ordem do dia, das lavadeiras aos ranchos etnográficos, do povo à burguesia, da rua para os desfiles de moda ou acessórios contemporâneos. Fazem parte das coisas portuguesas com certeza. 

Foto: Mnati Garrido


Colecção Lanidor

Semana da Moda de Moscovo, Outubro 2010


Colecção Maria Bonita: Verão 2012

Criações portuguesas: Princezices















































Comentários

Mensagens populares deste blogue

Bordados de Viana do Castelo

Gemeniana Branco, 29 de Março de 1917

Foi numa exposição realizada a 24 de Agosto de 1917 no artístico Pavilhão, no Campo d´Agonia em Viana do Castelo, que Gemeniana Branco deu a conhecer os seus trabalhos e que desde então dá início a uma profissionalização desta prática. Germeniana era uma jovem mulher com recursos, ligações e capacidade de iniciativa. Características que a levaram a transformar uma tarefa de uso essencialmente doméstico a uma atividade económica. Esta mulher fá-lo não só por si que dados os seus recursos não necessitava mas por princípios e valores que partilhava com mulheres como Berta Machado ou Ana de Castro Osório, que quando Portugal entrou na I Grande Guerra foram as fundadoras da Cruzada das Mulheres Portuguesas que tinha como objetivo diminuir a miséria das famílias portuguesas da altura. Foi neste contexto que Gemeniana se lança ao trabalho ajudando mulheres carenciadas no sustento das suas famílias em Viana e nos arredores. A área de produção do Borda…

Filigrana Portuguesa

Coração de Viana

A filigrana é um trabalho minucioso e ornamental que é realizado com perícia e delicadeza. É uma técnica de ourivesaria, e insere-se no tipo de ourivesaria popular, apesar de não ser específica da nossa tradição cultural encontra-mo-la noutros países e culturas, pode ser considerada uma das formas mais características das artes portuguesas. Pequenas bolas de metal e fios muito finos soldados e achatados provocando o efeito trança, de forma a obter desenhos como estes.
Cruz de Malta


Metais como o ouro e a prata são os mais trabalhados nesta arte, e estão presentes na história da humanidade nunca caindo em desuso, desde a Antiguidade até aos dias de hoje.  Recriação contemporânea de Joana Vasconcelos  


No norte do pais a tradição da filigrana continua presente nos adornos das mulheres minhotas, desde os trajes de noivas, aos trajes dos ranchos folclóricos e até no café de domingo à tarde.
Brincos Rainha

Vamos até ao 3º milénio a.c. no Médio Oriente onde a filigrana foi difundi…