Avançar para o conteúdo principal

Ginjinha do Rossio


Taberna a Ginjinha 1967
Kerner, Sid


Em Portugal a ginja ou cereja amarga (nome científico Prunus cerasus) é um fruto popular desde o século XV, sendo utilizada com fins medicinais. Por volta de 1755 vulgarizaram-se em Lisboa os estabelecimentos que vendiam ginjas mergulhadas em aguardente e daí e evoluiu para a famosa ginjinha.
Segundo a lenda foi um monge da Igreja de Santo António , Francisco Espinheiro que criou o néctar da capital ao deixar ginjas a levedar em aguardente, acrescentando açúcar, água e canela.



Foto: Benjamim Medeiros 


Foi em 1840 no Largo de São Domingos que começou a ser servida a mais típica bebida lisboeta. No mesmo balcão passaram poetas, escritores, artistas, trabalhadores do Rossio, turistas, curiosos e gulosos. Sobreviveu a séculos de história, a ditaduras, confrontos, tempestades, ASAE, modas, gostos e costumes. Aí está ela da burguesia ao povo, do povo à burguesia sempre contemporânea e na boca dos lisboetas.


Foto: André Domingos

Oferecendo duas modalidades ao freguês que por lá passa: “com elas” ou “sem elas” , as ginjas! O certo é que saem a grande velocidade para a clientela sempre crescente que se alinha ordeiramente aguardando pela sua vez ... Sim porque o ritual requer repetição os copos são mínimos e o sabor enorme. É uma bebida doce e muito saborosa.


Atualmente o negócio já vai na quinta geração, selecionando as melhores ginjas e garantindo os 4 meses de repouso para uma produção de 150 000 litros anuais, alguns deles exportados. No Balcão do Rossio Cubas de 800 litros enchem as garrafas da bebida fabricada na Arruda dos Vinhos, exclusivamente para a Ginjinha da Espinheira a encher copos já vai para 171 anos.
Os versos que estão na entrada guardam publicamente o segredo mais bem guardado desta bebida tão nossa!

Cartaz de uma representação da publicidade feita à mais de 100 anos em Portugal.

Contacto:

Largo de São Domingos, 8
Lisboa
Preço: 1,2€












Comentários

Mensagens populares deste blogue

Bordados de Viana do Castelo

Gemeniana Branco, 29 de Março de 1917

Foi numa exposição realizada a 24 de Agosto de 1917 no artístico Pavilhão, no Campo d´Agonia em Viana do Castelo, que Gemeniana Branco deu a conhecer os seus trabalhos e que desde então dá início a uma profissionalização desta prática. Germeniana era uma jovem mulher com recursos, ligações e capacidade de iniciativa. Características que a levaram a transformar uma tarefa de uso essencialmente doméstico a uma atividade económica. Esta mulher fá-lo não só por si que dados os seus recursos não necessitava mas por princípios e valores que partilhava com mulheres como Berta Machado ou Ana de Castro Osório, que quando Portugal entrou na I Grande Guerra foram as fundadoras da Cruzada das Mulheres Portuguesas que tinha como objetivo diminuir a miséria das famílias portuguesas da altura. Foi neste contexto que Gemeniana se lança ao trabalho ajudando mulheres carenciadas no sustento das suas famílias em Viana e nos arredores. A área de produção do Borda…

Filigrana Portuguesa

Coração de Viana

A filigrana é um trabalho minucioso e ornamental que é realizado com perícia e delicadeza. É uma técnica de ourivesaria, e insere-se no tipo de ourivesaria popular, apesar de não ser específica da nossa tradição cultural encontra-mo-la noutros países e culturas, pode ser considerada uma das formas mais características das artes portuguesas. Pequenas bolas de metal e fios muito finos soldados e achatados provocando o efeito trança, de forma a obter desenhos como estes.
Cruz de Malta


Metais como o ouro e a prata são os mais trabalhados nesta arte, e estão presentes na história da humanidade nunca caindo em desuso, desde a Antiguidade até aos dias de hoje.  Recriação contemporânea de Joana Vasconcelos  


No norte do pais a tradição da filigrana continua presente nos adornos das mulheres minhotas, desde os trajes de noivas, aos trajes dos ranchos folclóricos e até no café de domingo à tarde.
Brincos Rainha

Vamos até ao 3º milénio a.c. no Médio Oriente onde a filigrana foi difundi…

Lenços

~ Foto: Nuno Reis


Os lenços de Viana como são conhecidos fazem parte do imaginário português. São coloridos na sua base onde assentam cercadura de flores grandes e coloridas destacando as quatro cores principais: vermelho, amarelo, branco e azul.



Postal antigo: Lavadeiras Viana de Castelo
“A veste organiza-se em: saia franzida, colete justo apertado com fitilho e camisa branca, sobre a qual se apõe o avental, a algibeira e o lenço. Na cabeça, colocava-se um lenço idêntico ao do peito. Nos pés, calçavam chinelas também bordadas, à maneira barroca, e meias arrendadas.” (Teixeira: Madalena Braz, O traje regional, Português eo Folclore VII )


Estão presentes ao longo da história da humanidade em vários momentos históricos: • Segundo a lenda a primeira mulher que usou um lenço foi a rainha egípcia Nefertiti no ano de 1350 a.c.; • Em 230 a.c. na China no reinado do Imperador Cheng os lenços tinham uma utilização funcional que servia para identificarem os funcionários ou guerreiros chineses; • Na R…